A música e a indústria cultural

25 05 2009

A música é a sequência lógica dos sons, e mais que isso, uma prática cultural (porque manifesta-se em várias culturas) e humana. Consideramos música, uma forma de arte pois é uma manifestação de ordem estética, capaz de transmitir ideias e emoções e estimula-las de maneira diferente.

A música divide-se em vários géneros musicais, que produzem esteticamente várias definições.

A música erudita é a música compreendida como culta. Existem várias formas de  música erudita, desde a ópera à música clássica baseada em pré-clássico.

Existem vários artistas contemporâneos, como Yann Tiersen.

Existe também a música popular, que é onde o nosso estudo recai, uma vez que é esta a influenciada pela indústria cultural. Apenas se tornou num tipo de música significativo no século XX, sendo conhecida como a música dita normal. Ela é o resultado da evolução da sociedade, da urbanização e da industrialização;

Neste campo, a música popular, é conhecida como música comercial. Existem milhares de artistas no género.

A música folclórica é um tipo de música que está ligada a fortes elementos culturais de cada grupo social. Na prática, é uma imitação dos rituais mais remotos de uma cultura. Damos o exemplo do folclore português (muito presente nas festas de S. António, S. Pedro, e S. João).

Por último existe ainda, a música religiosa, utilizada nas liturgias, utilizada para oração e adoração.

Facto é que no campo da música, acentua-se a produção de música massiva, não com intuito expressivo mas com intuito comercial. A partir da concepção de Adorno, a indústria cultural produz este efeito, como lógica sobrevivência da experiência musical. Além disso, a vida artística produz uma espécie de “procura do conhecimento” do comportamento e estilo dos artistas. Os complementos visuais, como cores e efeitos especiais são uma condição para a audição.

Essa especificidade na relação humana com a música pode ajudar a entender que o consumo da música mediática como processo inserido e em alguma medida dependente das relações económico/culturais.

A fruição musical acontece numa esfera em que ouvir música, cantar e dançar, mais do que consumir, é fazer parte, estar junto, é sentir alegria e tristeza, dor, ansiedade, prazer físico e desejo. Mexe com emoções que estão lá,  na raiz da condição humana de sentir, intuir e revelar.

Os produtores da indústria cultural  podem ainda juntar-se a artistas dependentes do visual, para criar publicidade mais forte. É o caso das bandas sonoras de filmes e anúncios publicitários, como “Titanic”, com o tema “My Heart Will Go On” de Celine Dion .

Esta qualidade própria da música pode provocar uma rentabilidade simbólica que se traduz uma rentabilidade comercial  e ganho. Como? Tocando exactamente nesses sentimentos.

Como resultado das Indústrias culturais, temos artistas ditos “comerciais”, que adoptam um estilo feito apenas para vender. Por outro lado, existem artistas que fazem a música pelo sentimento que lhes provoca. E ainda existe a música que vai contra o sistema económico, social, político e capitalista, ou seja, contra a indústria cultural.

Atenuantes:

-MTV, music television (grupo), criada em 1981;

-A Internet, a aldeia global;

-A rádio

Na era da indústria cultural, a música popular:

- É um objecto fácil, modal, que desaparece com o tempo ou toma diferente valor;

- É um complemento para uma arte, como o cinema;

-É também algo feito para contrariar e explicitar ideias da vida social, económica e politica, contra a indústria cultural;

Exemplos da música relacionada com a indústria cultural:

-Back Street Boys, uma banda dos anos 90, que fez furor entre os/as jovens. O seu reaparecimento foi apagado, e banda retirou-se novamente;

-Existem as mais variadas bandas de música influência, contendo nas letras aspectos  e letras rudes e violentas, e outros tipos de ideias. Tem no percurso milhares de fãs, mas o principal motivo do estilo é a venda. Ainda a acrescentar que normalmente os artistas tornam-se símbolos icónicos;

-Mais recentemente, Tokio Hotel é a verdadeira vaga da indústria cultural. Mais que banda, é uma marca.

-Existem ainda outros artistas relacionados com grandes empresas, de animação, como a Walt Disney. É uma autêntica máquina de talentos; chama o público jovem, e produz além disso, a marca.

Contra a indústria cultural:

- Surgio o Movimento Rap / HipHop que exprimem os problemas urbanos, e a crescente desigualdade social. Surgiu nos anos 60 mas tomou grande força nos anos 90;

-O New Metal é um estilo de música bastante pesado, não pela rigidez técnica, mas pelas letras agressivas que criticam a sociedade capitalista, os erros de grandes nações, a desigualdade política e racial (guerras, como a do Iraque) . Além disso, surgiu como resposta à crescente indústria cultural, por cerca do ano 1992.

Desta forma, a música é também um negócio, crescente, capaz de se enquadrar ou mesmo modificar as ideias de cada um.

About these ads

Acções

Information

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s




Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: